Número total de visualizações de página

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Ter De Seu Dá Que Fazer



No Brasil tanto calor
Cá um frio de rachar
Vou ver se ganho vigor
E logo à hora da ceia
Irei-me pôr a contar
O meu pezinho de meia

Vou contar tanto cascalho
Que me vai dar que fazer
Está debaixo do soalho
Que de rica tenho fama
Tive então que o esconder
Por baixo da minha cama

As notas não me dão jeito
De as poder arrecadar
Têm p’ra mim o defeito
Que me dá muita tristeza
Custam-me tanto a ganhar
Vão-se numa ligeireza

Vai-se a ver o que acontece
Assim já tinha que ser
Pois se acaso as tivesse
Ficava preocupada
Qu’inda podiam arder
Não passam de papelada

Eu nos bancos não confio
Acho que é duma imprudência
Pode haver algum desvio
Tenho azar por natureza
Ou até mesmo a falência
E afinal ficava tesa

Mas o que mais me aborrece
É que vou ter que o trocar
E segundo me parece
Que não me está a convir
Ainda tenho que pagar
O que muito me afronta
Se acaso tiver que abrir
Tiver que abrir uma conta

E vai-se a ver que as poupanças
Pois estão todas vigiadas
Vigiadas p’las finanças
E vão-me dar um desgosto
Com as moedas trocadas
Minha conta que bem fica
E eles inventam-me um imposto
Pensando que eu sou rica

Ter de seu dá que fazer
Fosse eu latifundiária
Ai andava a padecer
Faço ideia de quem sofre
Fosse eu multimilionária
Guardava tudo num cofre

Mantinha tudo em segredo
A toque de aldrabices
Pois pudera tinha medo
Que o dinheiro fosse à vida
Só vestia chinesices
P’ra passar despercebida

Tenho pena de quem tem
Meu coração não se apega
Ai nem sequer por desdém
Pois se afinal sou feliz
Se o que tenho já me chega
P’ra fugir deste país

Pois parecemos uns bonecos
Tó nas mãos dos governantes
Desfaço-me eu dos tarecos
Vou-me embora quem diria
E junto-me aos emigrantes
Não me faltem aviões
Que muita gente assim queria
Vou-me embora o que é baril
E em ano de eleições
Eu vou viver p’ró Brasil




Sem comentários:

Enviar um comentário