Número total de visualizações de página

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Mas Que Grande Predicado



Andaram-me a querer casar        
Com um certo pretendente
Pois se era só p’ra jantar
Nada tinha que temer
E se ele ficou tão contente
Quando lhe foram dizer!

O homem era reformado
Com uma valente pensão
E ficou logo acordado
Que seria mesmo assim
Só lhe pagava o caixão
E o resto era só p’ra mim

Senti-me tão animada
Vejam bem o meu agrado
Mas que grande predicado!
Sem que ele estivesse doente...
Tó já me via casada
Pois se homem era impotente!

Vai-se a ver que afinal
Deu-me cá uma nervoseira!
Pois se até me senti mal : 
Com os intestinos a aquecer
Tive então numa canseira
Para os tentar arrefecer

Ó depois p’ra me acalmar
Encharquei-me em comprimidos
Mas com os nervos oprimidos
Pus-me então a matutar:

_ E se acaso adormecer
Eu que nem dou cor de mim
Ai que grande festival!
Não me vá ele socorrer
De alguma coisa ruim
E eu veja o dia a nascer
Numa cama de hospital...

Meto os dedos nas goelas
P’ra me poder vomitar.
Mas se a placa cai na pia
No meio da porcaria
Pus-me fraca das canelas
Com tamanha ânsia louca
Sem me querer mentalizar
Que a placa vinha p’rá boca!

Fui a ver estava rachada
Até se partiu um dente:
Vi-me tão desconcertada
Veio de novo a colite!
Só me passava p’la mente
Colá-lo com araudite

Vai nisto mando um suspiro
Nem se dava descolado
Muito mal engerocado 
Ainda teve que ser corto
Pois se eu parecia um vampiro
Do modo que ele estava torto

E lá fui eu p’ró jantar
Pus-me de boca fechada
Sem sequer poder falar!
Mas se quem cala consente
Vi-me tão contrariada
Ao querer-lhe virar o dente!

E enfim os dois frente a frente
E ele fogoso sorridente
Ao encher-me a caneca
Tremiam-me os tornozelos
Já me chamava faneca
Falava p’los cotovelos

Apesar da toleirice
Depois passei a princesa
Mas vejam-me esta tristeza
‘Inda por cima era mouco
Começou na brejeirice
E eu sem lhe poder dar troco

Estava então preocupado
Triste e tão descontente:
_Não estejas tão abalado
Pois não tem nada de mal
O seres assim impotente
Com a idade isso é normal

E a procissão já lá ia
Mais à frente que o andor
Pois vejam só quem diria
Até parecia uma praga
Diz que tinha um vibrador
E que tomava viagra

Já todos tinham saído
E eu a querer-me vir embora
Pôs as manguinhas de fora
Dizia-se pechingado
Que tomava um comprimido
E eu vi o caldo entornado

Ó meu Deus que arrependida
Pois se estava endiabrado
E dei mal à minha vida
Naquele péssimo ambiente
Lá se foi o predicado
O deste meu pretendente


Sem comentários:

Enviar um comentário