Número total de visualizações de página

segunda-feira, 22 de julho de 2013

PORTUGAL É DO POVO | Maria Albertina Natividade da Purificação






 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 





Vai-se a ver, que não me calo
Falarei pelo meu povo
Têm medo do que eu falo
Mas se poetizo a verdade
Pois queremos um mundo novo
Com a palavra Liberdade

 

Com a palavra Liberdade
Que por sinal somos críticos
Pois viva a fraternidade
E direi com ironia
Que estes nossos políticos
São pois duma hipocrisia
Só nos querem degolar
E ai pois daquele que cair
Nos cuidados de hospital
Pois só se vai desgraçar
E eles ficam-se a sorrir
À cabeça oito contos
Isto em dinheiro antigo
Mas eu não me irei calar
Pois se eu cá fiz os descontos
E ando neste desabrigo

 

Se adoecer pressenti
Não tenho como pagar
Pois isso já descobri
Olha o conto do vigário
Acabo então por morrer
Nem tenho como aviar
Pois vejam bem esta forma
Todo o meu receituário
E assim se vai a reforma

 

Minha prima Umbelina
Pois se já está a opinar
Vai mais a ti Albertina
Vamos fazer a revolta
Pois há perigo duma peste
E quem morrer já não volta
E haja quem se manifeste

 

Afinal que o povo unido
Faça uma revolução
P’ró governo ser banido
Pois do seu próprio covil
Contra a voz da opressão
Havemos de lá chegar
E que haja um novo Abril
P’ra podermos respirar

 

 

(ILUSTRAÇÃO/ARTE DE MIGUEL MATOS)

 

Sem comentários:

Enviar um comentário